25 de outubro de 2015

Gabrielle Aplin

     - este post contem  paixonite excessivamente aguda por causas de... Gabrielle Aplin


Ultimamente tenho ouvido muita coisa nova em relação à música. Tô "tentando" deixar essa "frescura/medo" que tenho - em ouvir novas estilos de música de lado - e escutando coisas que não são tanto dos estilos musicais que mais ouço. Achei muita coisa boa por essas minhas andanças, e pretendo mostrá-las aqui em breve. Mas, hoje lhes apresento Gabrielle Aplin, que já conheço faz tempo, e dez de então venho enrolando em falar dela aqui no blog.
Gabrielle Aplin é uma cantora e compositora inglesa de 22 anos (10 de outubro. e eu sou de 20 de outubro, temos uma coisa em comum, somos de libra kkkk), que ficou conhecida depois de postar vários covers no youtube, de bandas famosas como: Paramore  e You Me At Six. Em 2012 Aplin anunciou que tinha assinado um contrato com a gravadora Parlophone e estava gravando o seu álbum de estréia. Daí pra frente Aplin começou a ganhar mais destaque na mídia, depois de ter uma de suas músicas num comercial de TV. Seu segundo álbum English Rain foi lançado em 2013, estreou  em segundo lugar na parada de álbuns do Reino Undo; com vários comentários positivos do público; ganhando assim, o disco de ouro no Reino Unido com mais de cem mil cópias vendidas (obrigada, querido Wikipédia).

Conheço a Gabrielle (tô íntima) a muito tempo; até cheguei a falar dela no meu antigo blog, mas aqui no Quem Sou Eu? nunca! A primeira vez que eu ouvi o som dela, foi numa rádio - gosto muito de ouvir rádio, toda noite escuto e foi por lá que eu escutei pela primeira vez uma música da Gabrielle - a primeira música que eu ouvi dela na rádio foi: "Please Don't Say You Love Me" , quando eu ouvi fiquei completamente apaixonada, não só pela música, mas pela voz dessa menina, que é tão delicada - que fez o meu coração palpitar, e querer ouvir várias e várias vezes.
Até então eu não sabia quem era Gabrielle Aplin, só conhecia essa música dela, não à fisionomia de sua pessoa. Aí, nessas minhas tentativas de encontrar essa menina que cantava: "Please don't say you love, 'cause i might not say it back" - "Por favor simplesmente não diga que me ama, porque talvez eu não o diga de volta" (sermão da minha vida), me peguei ouvindo essa música com o ouvido grudado no som do rádio, tentando entender esse inglês, e depois tentando fazer o google entender o meu inglês (vem cá google, vamos bater um papinho: ajudaí cara), (coitado do google, nem eu mesma entendo, ele vai entender?!). Até achei que fosse a Birdy, que cantava essa música mas, não era ela. 

                     
Aí, eu continuei fuçado procurando, e achei, achei num dia que não resolvi procurar. Achei quando resolvi apertar em um vídeo desses aleatórias que aparecem no youtube, e achei a bendita música e a cantora. 


Daí pra frente foi uma pulo, escutei todas as músicas da Gabrielle naquele dia, e fiquei completamente apaixonada por ela, até hoje.
é muito amor envolvido <3333
Gosto muito de todas as músicas da Gabrielle. Adoro cada letra, cada som emitido por cada instrumento. Aquele 'ar' intimista que transmite (pelo menos pra mim) uma sensação de aconchego, que só poucas coisa te fazem si sentir assim. É muito bom e gosto muito muitíssimo.

Uma das músicas da Gabrielli que eu mais gosto, e Home. Não vou dizer que é a minha preferida, porque eu não tenho praticamente nada preferido (porque sou de libra), mas vou dizer que ela está na 1° posição das músicas que eu mais gosto da Gabrielle Aplin.



Não sei dizer o por que?! mas essa música me traz uma sensação de liberdade. Tem uma parte no final do clipe que ela corre na avenida e, aquilo - quando vi da primeira vez - me tocou muito. Acho que a atmosfera toda do clipe e também à música, me fazem sentir/ter essa sensação. Ela depois de ter sido roubada por uns caras e não tendo mais dinheiro pra si manter, decidi vender algumas das suas coisas/objetos pessoais, compra um violão e começa a tocar na rua para conseguir dinheiro. E depois quase no final do clipe, canta num bar sentada encima de uma mesa de sinuca, essa música e todo mundo  que estar lá canta junto. É tipo um coral, mas sem àquela estigma de coral, mas sim como numa platéia de um show, quando todo mundo canta junto ou quando você está com seus amigos, e vocês fazem isso juntos, não te faz sentir uma sensação boa? Uma sensação que ti faz pensar/sentir que tudo é possível? porque tudo é possível! Amo essa música!

Fiz uma seleção de músicas que eu gosto da Gabrielle, e que estão aí pra vocês escutarem e relaxarem, porque essa mina canta, e é bem dimais rapaz - aperfeiçoando o meu sotaque, de sei lá da onde é.




Gostaram da Gabrielle, e do som dela? Ela não é fofa? Já a conheciam?
Me contem.

~~~~~♥~~~~

Até a próxima

22 de outubro de 2015

Um dia bom

O dia começou nublado, mais eu sabia que logo o céu se abriria e o azul se espalharia por toda a sua imensidão. 
É meu aniversário, e não esperaria nada menos do que isso. 
Mesmo se o dia não fosse dos melhores, pelo menos eu tinha que ver o azul do céu.
E vi!
Acordei, rezei, agradeci, levantei, e fui me arrumar.
Meu Pai e meu Irmão me desejaram feliz aniversário.
Os amo!
Baixei algumas músicas no celular, para ser a trilha sonora do dia que nasci.
Peguei a mochila, coloquei alguns livros dentro e fui.
Sai de casa, peguei o ônibus -  maiszomenos com um rumo traçado.
Peguei um caminho que nunca tinha ido antes sozinha, por medo.
Mas eu fui, mesmo assim!
Dentro do ônibus fui vendo a .paisagem da cidade onde mora, fui vendo ela ficando pra trás,
e foi aparecendo outras que não via há tempos!
E o céu ali, me acompanhando. 
O calor do sol, ultrapassando a janela do ônibus e me fazendo ficar com calor. Mas tudo bem.
O senti me abençoando, com sua presença.
Desci no ponto final.
Um monte de pessoas passando pra lá e pra cá, apressadas para chegar aos seus destinos.
E eu ali, sem saber para onde ir.
Mas fui seguindo a multidão, até conseguir sai dali.
Não tinha um rumo, mas sabia que queria andar. 
Andar sem parar, até onde minhas pernas me levassem, e fui!
Com o passar dos passos, fui lembrando de uma igreja azul, que minha mãe me levava quando era criança. A encontrei. 
E que igreja mais bela!
A admirei por fora por alguns instantes e decidir entrar.
Continua mais bela ainda!
Melhor do que lembrava.
Rezei mais uma vez! Pedi por todas as pessoas do mundo, e as que amo.
Minha alma levitou, como uma pena.
Chorei! chorei, feliz.
Continuei minha caminhada, por essa instigante cidade que é São Paulo.
Fui na estação da luz, fui na pinacoteca (mas não entrei), e fui no parque.
Fiquei lá, sentada por um bom tempo. 
Vendo às pessoas despreocupadas, diferentemente das pessoas do ponto final.
Me senti bem.
Senti que eu não tinha que ser igual àquelas pessoas, que estavam sempre apressadas.
Não tinha! Pelo menos não hoje!
Fiquei ali observando os outros, e os outros me observando.
Depois levantei. Já estava na hora de ir embora.
Em direção ao terminal, vi um senhorzinho vendendo picolé.
Estava lá sentado, num banquinho na sombra, e na frente o seu carrinho de sorvete.
Passei por ele, fiquei pensando que deveria comprar um picolé; vi se tinha algumas moedas,
voltei até o senhorzinho, e comprei o picolé de milho.
Fui andando até ao terminal, comendo o mais rápido possível o picolé, para que  não derrete-se naquele calor.
Passei na frente da igreja (na minha opinião), uma das mais belas de São Paulo.
Cheguei ao terminal, demorei um pouco até encontrar o ponto do ônibus, e finalmente o encontrei.
Esperei até ele chegar.
Entrei, conseguir um lugar.
Coloquei os meu fones de ouvido (que não estavam tão bons assim), e deixei a música fluir.
Cada música uma sensação diferente, mas que não deixava de ser boa aquela "mini"
viagem até minha casa.
Desci do ônibus, caminhei até em casa.
Cheguei com os meus cachorros, pulando em mim como sempre.
Como isso é bom!
Falei com o meu pai. Me perguntou como foi? Disse que foi bom!
Tinha um presente em cima da TV, era um livro.
Um presente da minha amiga. Obrigada.
Tirei a bolsa, os sapatos e liguei o computador.
Vi algumas notificações no facebook, agradeci a todos.
Falei com alguns amigos, e os agradeci.
Depois deitei na cama.
Fiquei um bom tempo ali deitada, olhando pro teto, sem pensar em nada.
Resolvi tirar um cochilo.
Depois não aconteceu nada demais.
O tempo foi passando, o dia acabando e o dia 20 de outubro indo embora.
Agradeci por mais um ano de vida.
Foi um bom dia.
Um dia bom.
Sentir coisas boas.
Vi e revi coisas lindas.
Um pedacinho do mundo.
Sentir a liberdade,
o vento,
o céu,
em mim.
Um dia para si guardar,
para si lembar,
de que foi bom, apesar de nem tudo ter saído com o imaginado.
Valeu a pena.
Si aventurar, é viver.
E viver é muito bom.
O Picolé de milho, e meus sapatos de coruja <333

17 de outubro de 2015

Outubro Rosa, prevenção contra o Câncer de Mama

Estou dez do começo deste mês pensando em escrever este post, mas a minha falta de organização junto com a procrastinação (que reina em mim), até hoje não o fiz; e junto com essa dor de cabeça, que desceu pro pescoço e agora dói tudo (não sei o que fiz, pra ficar desse jeito), tudo fica mais difícil, mas é só eu não mexer tanto o pescoço que tudo fica bem (ou não). Como todos sabem estamos no mês de outubro, o Outubro Rosa que é o mês mundial de Prevenção contra o Câncer de Mama, que faz 20 anos esse mês no Brasil e não poderia deixar de falar sobre isso.

Pelo o qui eu saiba, nunca teve casos de câncer de mama na minha família, e nunca em alguém próximo de mim. Nunca presenciei o câncer de mama de perto, nunca conheci pessoas que já tiveram câncer de mama, mas isso não quer dizer que eu não me importo; que eu não me sinto sensibilizo com a história dessas pessoas. Como diz por aí: "Não é porque aconteceu com o vizinho, que não vai acontecer comigo, pode sim acontecer comigo!" E é por isso, que eu sinto que eu devo escrever sobre isso. Sou nova pra falar sobre isso? sou! Não tenho tanto conhecimento de causa? não, não tenho! Mas sou mulher, e sinto que escrevendo isso aqui, posso ajudar de alguma forma a contribuir para a prevenção do câncer de mama. Mesmo o blog sendo pequeno, não tendo tanto seguidores, e não é famoso, sinto que preciso fazer isso. Sinto que tenho que escrever sobre isso - ajudar de alguma forma.
O movimento Outubro Rosa começou na década de 90 na cidade de Nova York, e no ano de 97 outras cidades dos Estados Unidos começaram a promover atividades de prevenção, escolhendo o mês de Outubro, como o mês internacional contra o Câncer de Mama. E de lá pra cá, vários países e cidades do mundo veem aderindo à essa grande ação. Durante todo o mês de outubro alguns monumentos famosos do mundo, como aqui no Brasil o Cristo Redentor, a noite eles ficam ROSA. Pra vocês verem como essa campanha é importante, praticamente o mundo inteiro fica rosa a noite. Isso é um modo de CONSCIENTIZAR às mulheres e homens também, a fazerem o exame de mama, à Mamografia que detecta o câncer de mama.
Pra quem não sabe, o câncer de mama não dá só em mulheres, também dá nos homens. A mídia e até mesmo a campanha do câncer de mama não fala muito do câncer de mama nos homens, mas infelizmente isso acontece. Um dos melhores jeitos de você/nós/homens/mulheres se prevenirmos do câncer de mama, além da Mamografia - que é o único e eficaz modo de ser detectado - nós também podemos nos prevenir por meio do Auto-Exame.

O Auto-Exame serve para além de ajudar a detectar um nódulo no seio, acima de tudo serve para nós nos conhecermos, para nos tocarmos; para que nós passamos conhecer o nosso corpo, cada pedacinho dele. Por isso que o Auto-Exame é importante, é importante para nós nos conhecermos, nós mesmos. É um momento íntimo, você com você mesmo - si tocando, si conhecendo, tanto homem como mulher. É um momento importante, que devemos ter todos os meses,  e que dura apenas alguns minutos, minutos que podem salvar a sua vida.
Nesse vídeo abaixo a Jout Jout  (MARAVILHOSAaaa), fala que estava fazendo o auto-exame errado, e que ela foi pesquisar sobre como se faz o auto exame. Ela tirou várias dúvidas, isso só nos mostra que para saber mais, e ajudar a se prevenir do câncer, é se informando:



Outro vídeo que a Jout Jout recomendou para nós vemos, que é muito bom também.


E domingo passado no Fantástico passou uma reportagem sobre o câncer de mama, super importante e pra lá de emocionante, que vou admitir que fez cair algumas lágrimas dos meus olhinhos.


Muito lindo não?! É muito lindo poder ver a superação das pessoas que passam por essa doença. A alegria que elas falam, em como superou o câncer. A força que elas nos transmitem. É encorajador ver isso. Às vezes (muitas), sofremos por coisas tão banais e mesquinhas que achamos que vamos morrer, mas é só ver essas histórias - e elas enfrentando tudo isso e continuando tendo esperança, que percebemos que os nossos problemas são tão insignificantes. que faz a gente ter vergonha de ficar sofrendo por àquilo.

A importância do Outubro Rosa é muito grande. Mas fique sabendo que não é só porque o mês de conscientização do câncer de mama é em outubro, que você só deve se lembrar de si cuidar em outubro, NÃO! Você deve se cuidar todos os outros meses, e sempre! Se prevenir fazendo o auto-exame e se tiver alguma coisa estranha ir fazer a mamografia, e sempre a melhor coisa a si fazer 
começará o tratamento imediatamente e terá mais chances de si curar dessa doença.

Se informar e sempre a melhor opção. Si tem dúvidas de como fazer o Auto-Exame procure pela internet, fale com suas amigas, filhas, esposas ou com a sua médica mas não deixe de tirar essa dúvida. Se previna, Se cuide, Se informe e não deixe que essa doença entre na sua vida e tome conta dela. Tamo junto contra o câncer de mama, e com o Outubro Rosa


Links Importantes:

Câncer de Mama Masculino
Como fazer o Auto-Exame

Gostaram do post? Tem alguma dúvida ou dica? me contem!
~~~~♥~~~

  Até a próxima

12 de outubro de 2015

Ahh, a gostozura da infância


Ser criança é uma coisa que nos é dado
apenas uma vez na vida; 
ser criança, apenas às crianças
sabem como é ser; ser criança é apenas ser;
 ser criança é viver como nenhum outro ser...

Tenho 17 anos, mas sempre digo que tenho mentalidade de 10 e disposição de 100 (apesar que os de cem, tão vivendo melhor do que os de vinte hoje em dia), eu sou uma preguiçosa de carteirinha, mas se mim chamarem pra sair - conhecer novas coisas, novos lugares, e que assim não ultrapasse o meu orçamento de 2 reais por rolê, eu vou com certeza (ainda mais se for de graça). Lógico que eu não sou mais a criança -que antes não medo de nada - que ia sem ter medo; já hoje em dia eu penso duas vezes; penso mais nos contras - do que nos prós. Tá mais a onde tu que chegar com isso Marina? Não sei! Não sei porque fiz essa introdução toda, apenas fiz. Acho que apenas quero dizer, que ser criança é: A - MELHOR - FASE/COISA - DO - MUNDO - UNIVERSO - INTEIROoooo... Ser criança é viver como nenhum outro ser; eles vivem e isso é lindo.      
vergonha alheia, mas eu AMOOO essa foto
buchechas
apresentação de dança
a cambada toda

Toda vez que olho pra essas fotos de quando era criança, tenho à plena certeza que de vivi muito essa fase. Me lembro de todas as brincadeiras, bagunças, desobediências...Me lembro que quando era criança adorava ficar andando de bicicleta junto com à minha prima, aqui pelo bairro; minha mãe sempre dizia para não irmos para muito longe, mas sempre íamos. Me lembro também, que quando era festa de fim de ano, comprávamos um monte de bobinhas, e estourávamos na mão (aí meu deus) ou jogávamos na casa dos vizinhos. Sim, eu era uma peste! não parava queta. Sempre que me lembro disso dou risada, porque hoje em dia sou tão tímida e introspectiva (é, às pessoas mudam), mas ainda sinto que àquela criança pestinha que eu era, ainda existe dentro de mim. E sempre vai existir.

Conte-me uma lembrança de infância caro leitor?

-----♥----

Até a próxima

6 de outubro de 2015

Bons ciclos

Tava aqui pensando que já faz mais de uma semana que não posto aqui no blog. E tava pensando também, no qui postar?! Não é porque eu estou sem inspiração, mas é porque eu tenho várias coisas pra postar e não me decido; e ai bate a bad , que logo em seguida vem a falta de animação, que e ai ferra com tudo. Mas antes de começar a escrever este post, eu estava assistindo o filme Big Hero (fofura, choro e lágrimas... que vocês devem muito assistir; assistam!) e a ANIMAÇÃO voltou. Essa semana que se passou e esses últimos dois meses (agosto e setembro) posso dizer que foram os melhores meses de 2015 para mim, e vou-lhes contar o por quê? caros migos.

Pelo o qui eu me lembro, comentei assim por cima aqui no blog, mas não especifiquei  que eu estava fazendo um curso profissionalizante de informática avançada, que tinha duração de dois meses e que eram todos os dias da semana (eu fazia pela manhã). É caros amigos, não está fácil para ninguém arrumar um emprego - então nada melhor quando não se está fazendo nada, e você está tentando entrar no "mercado de trabalho" (não sei o porque, mas odeio essa frase), é estudar. E como não estou fazendo nada este ano; tirei esse ano pra não fazer nada de construtiva para a minha futura vida de adulta, que já está batendo na minha porque daqui a duas semanas faço 18 anos e não estou nem um pouco preparada para isso (estou fugindo do assunto, voltando), então decidir parar de ser mole e ir estudar; já que o curso era de graça porque não?! Lá fui eu no último dia de inscrição sem nenhuma vontade, pensando: "si eu for selecionada tudo bem, si eu não for também, tudo bem". E contrariando toda a minha falta de vontade, e o meu pensamento para não ser selecionada,  meu nome tava lá na lista e eu fui selecionada. Adeus Procrastinação.

Não me lembro ao certo o dia que eu comecei o curso, mas me lembro que não estava muito animada (como sempre). Me lembro que no primeiro dia de aula, é àquela tensão de: "não conheço ninguém" e "todo mundo tá olhando pra minha cara, será que tem remela no meu olho?!", é a mesma coisa de quando você muda de escola, e é o seu primeiro dia de aula ( não existe situação mais tensa e constrangedora do que essa). No começo é sempre assim, e depois você vai conhecendo às pessoas e assim fazendo amizade, só que comigo não foi bem desse jeito... O dia foi passando e a hora mais tensa para uma pessoa tímida que acaba de chegar num lugar novo - que não conhece ninguém e que não consegue abrir a boca pra falar um oi, tava chegando... o intervalo. Lá ia eu ficar sozinha, enquanto eu via às outras pessoas fazendo amizades - ficar no meio dos livros (o curso fica dentro da biblioteca), e lá eu ficava o intervalo inteiro, até dá a hora de voltar pra sala. E assim o tempo foi passando... fui tentando furar esse bloqueio que eu tenho em mim - que afeta a minha comunicação com as pessoas - fui tentando deixar de lado, e me permitindo cada dia mais. Fui começando falar a com às pessoas que sentavam do meu lado, ajudando elas no que elas precisavam, e assim me comunicando. Não consegui fazer isso com todos, mas foi uma glória eu ter conseguido fazer isso com alguns. Nem todos os intervalos eu tive companhia, alguns eu ficava com o pessoal do curso, alguns eu ficava na sala mesmo e alguns eu ficava no meu lugar preferido que era - TaramTamaTam à biblioteca.


Esses dois meses foram muito bons. Além de eu ter adquirido mais conhecimento sobre a informática; saber de coisas que eu nem imaginava, como por exemplo: que um dos primeiros computadores da história tinha 5 metros de altura e 25 metros de largura, dá pra imaginar uma coisa dessa? difícil néh? Hoje em dia vemos tudo arrumadinho, certinho no seu lugar, só precisamos apertar o botão de ligar, e sentar a bunda na cadeira, porque a informação tá ali pra quem quiser, só basta um clique. Isso é bom pra gente ver o quanto os computadores a tecnologia evoluiu e continua evoluindo; hoje tem o melhor computador do mundo, amanhã pode já ter o extraordinário melhor computador do mundo, é só piscar os olhos que aparece alguma coisa nova no rumo da tecnologia, e isso é muito bom. É bom porque o mundo vai mudando; hoje não existe mais àquele computador que eu acabei de citar acima; hoje um computador cabe na palma da mão, a informação o mundo, cabe na palma da mão. É bom poder ver a tecnologia evoluindo, às coisas, mas mesmo com tudo isso ainda sou a favor da boa e velha (quase insistente) convivência/VIVÊNCIA cara a cara. Gosto muito da tecnologia, e tudo que ela nos proporciona, mas prefiro viver sem muita dependência dela. Ainda prefiro viver fora das quatro paredes, da cadeira e do computador; ainda prefiro o mundo lá fora; respirar ar puro, viver.
Foi muito bom, conviver durante dois meses neste lugar. Foi muito bom conviver, principalmente com às pessoas que frequentaram este lugar comigo durante esses dois meses. A convivência, as risadas, as conversas, as dúvidas, o respeito o carinho... foi tudo muito bom. É claro que não dá pra conhecer uma pessoa por inteiro, por só dois meses, mas cada pessoa do seu jeito foi muito bom poder conhecer; porque conhecer gente nova é muito bom! Acho que renova a alma, traz uma sensação de bem estar, tipo quando você comendo lasanha, ou tomando sorvete num dia de calor é muito bom, não é? Pois conhecer gente nova é muitíssimo bom, é ótimo. E conhecer essas pessoas, cada uma delas, até às qui eu não falava muito, foi muito bom. Só de estar ali, fazendo parte daquela turma, convivendo com eles, foi bom.
Churrasco de despedida (sou aquela com a ceta na cabeça).
Mas infelizmente tudo que começa, um dia acaba. Essa é a lei da vida. Nada dura para sempre infelizmente ou felizmente, depende do ponto de vista de cada um. O ciclo acabou! O qui eu fiz, fiz! o qui não fiz, não fiz! Não dá pra voltar atrás. Pode parecer clichê àquela frase de "Viver cada dia como se fosse o último" acredito nela fielmente, mas prefiro colocá-la como "Viva cada oportunidade, cada ciclo, como se fosse o último de sua vida". Às oportunidades veem e vão o tempo inteiro, mas depende de nós agarra-las com todas as forças, e fazê-la delas uma coisa inesquecível. E foi isso que fiz, mesmo não estando tão animada no começo. Encarei a preguiça encarnada dentro de mim, acordei cedo, subi a ladeira imensa para chegar até o curso, e fui. Fui com chuva, sol, calor, frio e com todos os climas existentes em SP. Fui, só faltei uma vez. Fui, e fui muito feliz.
Formatura. Formados *----*


A nossa formatura foi dia 1 de outubro, aqui no centro cultural adamastor. Tava lotado de gente, até o prefeito e gangue toda tava lá; tiramos foto com ele. Tiramos muitas fotos, pra falar a verdade, e foi uma noite muito agradável e alegre, apesar do clima de despedida no ar. Foi muito bom, poder ter vívido esse ciclo, esses dois meses, junto com essas pessoas. Sei que talvez não nos veremos mais, mas cada uma vai ficar gravada no meu coração, e de como foi bom ter vívido tudo isso. Sou eternamente grata por isso. Não tenho palavras pra explicar tudo o que senti, e estou sentindo ao escrever isso; todas às lembranças passando pela minha cabeça neste exato momento, o rosto de cada um... valeu por tudo pessoal. Mais, um ciclo que termina, e que termina não com a sensação de tristeza, mas sim de felicidade por ter vívido tudo isso.

Hamilton, Toninho, Matheus, Leonardo, Jamile, Marcos, Bruno, Humberto, Raquel, Letícia, Luiz, Daniella, Nice, Alex e Eu.
Valeu Turma de 2015

~~~~♥~~~~~

Até à próxima